Jejum Intermitente é a melhor estratégia para perda de peso?


Jejum é uma privação parcial ou total de alimentos durante certo período de tempo

Historicamente, o jejum está e esteve presente em diversas expressões religiosas. O RAMADÃ que é o ritual mais conhecido é, para os muçulmanos, um período de um mês que se submetem a um jejum de alimentos, bebidas (inclusive água) e outras atividades. A frequência alimentar neste período é bem reduzida, sendo realizadas refeições apenas antes do sol nascer e depois do por-do-sol, tendo entao um período de jejum de aproximadamente 12 horas diárias. Os mulçumanos não são os únicos à utilizarem do jejum como uma expressão religiosa, budistas, judeus e cristãos também utilizam do jejum como uma forma de penitencia interior.

Em períodos mais remotos podemos citar também o período paleolítico, quando o povo ainda não tinha domínio da agricultura e da criação de animais, necessitavam caçar a refeição e ir em busca de outros alimentos como frutas e hortaliças. Por essas dificuldades a alimentação nesse período não era regular, tornando o jejum uma ação obrigatória em dias em que não tinham caça ou em épocas de escassez.

Atualmente, no meio científico, o jejum é uma estratégia utilizada com resultados concisos, em algumas doenças como síndrome metabólica, câncer e diabetes, por exemplo, e antes de algum procedimento invasivo, como cirurgias.

Nos últimos anos o jejum intermitente virou moda e está sendo cada vez mais utilizado como recurso para rápida perda de peso. Existem alguns protocolos e vertentes disponíveis que variam em período de jejum (18h, 24h) e escala (5:2, 2:1) que podem variar com a necessidade do indivíduo.

Mas como nosso corpo reage à um período de jejum?

Numa situação normal de alimentação, nosso corpo usa a glicose como fonte primária de energia, ou seja, utilizamos o carboidrato da alimentação para gerar energia para os órgão e para realizar nossas ações do dia a dia. Em longos períodos de privação alimentar, nosso corpo utiliza de outros recursos para gerar a energia suficiente para essas mesmas funções.

A primeira fonte energética utilizada é proveniente de aminoácidos, ou seja, utilizamos como combustível principal de energia os músculos, em segundo plano utilizamos como fonte para geração de fonte de energia o tecido adiposo.

Por esse motivo devemos nos atentar que, muitas vezes, a perda de peso que vemos na balança após realizar dietas muito restritivas e principalmente com a prática de jejum pode representar a perda muscular e não a de gordura corporal.

A utilização da gordura corporal como mecanismo para obtenção de energia gera corpos cetônicos, proveniente da metabolização do tecido adiposo, que são liberados na corrente sanguínea para serem utilizados por músculos e órgãos. Porém, parte desses compostos que não são utilizados, quando concentrados, podem levar a um quadro de Cetose, que pode causar sintomas como dores de cabeça, náusea, vomito e em casos mais graves pode levar ao coma e até mesmo à morte.

Como o Jejum intermitente pode auxiliar no emagrecimento?

Como existe uma redução considerável no número de refeições diárias, inevitavelmente existe uma diminuição da quantidade calórica na alimentação do individuo. Essa é a forma mais eficaz para perda de peso: Balanço energético negativo! Ou seja, gasta-se mais calorias do que consome. Mas, essa estratégia também pode ser usada mesmo realizando até seis refeições diárias. Estudos recentes comprovam que dietas com restrição calórica apresentam os mesmos resultados de perda de peso quando comparados a indivíduos que realizam jejum intermitente. Ou seja, é possível se alimentar ao longo do dia, sem privações extremas, e alcançar os mesmos resultados de emagrecimento. 

Existe também outra problemática com a prática do Jejum intermitente: ninguém passa uma vida inteira em jejum. Isso quer dizer que em grande parte das pessoas que perderam peso durante o período em que fizeram jejum recuperarão alguns quilos quando voltarem a uma rotina alimentar que era “normal” antes de realizar o período de jejum. Isso acontece principalmente por continuar adotando na rotina uma alimentação não balanceada.

Por esses diversos motivos, essa prática não é destinada a todos, nem tampouco deve ser realizada de qualquer maneira. O acompanhamento junto à um profissional capacitado é fundamental para alcance dos seus objetivos sem prejuízos na sua saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X