O bullyng afeta a vida de crianças e adolescentes


As atitudes agressivas causam dor e angústia às vitimas

É no período da infância e adolescência que acontecem as primeiras relações do sujeito – relação com a família, com escola, com grupos, entre outros. Isso possibilita adquirir capacidades de internalizar regras, adquirir valores de companheirismo, partilha, definir o que é certo e errado, o que é bem e mal, e construir sua identidade!

Principalmente na puberdade (período que antecede a adolescência, por volta de 10, 11 anos) o sujeito valorizará os grupos e amigos, porque é onde ele se identifica, tornando-se “igual ao outro”, com linguagem e gostos semelhantes. A aceitação pelos companheiros é fundamental para o desenvolvimento da saúde das crianças e adolescentes, pois permitirá aprimorar suas habilidades sociais e também fortalecerá sua capacidade de reação diante de situações de tensão, e sua própria autoestima.

Podemos pensar então que o bullyng – que compreende atitudes agressivas, intencionais e recorrentes, causando dor e angústia à vitima – acarretando uma série de consequências na vida dessa criança/adolescente. O Bullyng traz prejuízos não só para o sujeito que pratica ou que é vitima, como também para a sociedade como um todo, porque as crianças e adolescentes que sofrem e/ou praticam o ato agressor, podem ter necessidade de serviços de saúde mental, da justiça, de educação especial e programas sociais.

O medo, a tensão pode comprometer o desenvolvimento escolar. O estresse causado na vitima e também percebido em quem pratica o bullyng, pode levar ao surgimento de doenças, possibilitando o aumento da ansiedade, da insegurança e do conceito negativo de si mesmo. Essa criança/ adolescente pode, também, manifestar quadros de hiperatividade, déficit de atenção, dificuldades de aprendizado, agressividade, desordem de conduta, depressão, autodestruições e até atitudes suicidas. 

Além disso, a relação familiar também pode ser comprometida: a criança ou adolescente pode se sentir traído, caso entenda que os pais não estejam acreditando em seus relatos. Geralmente os alvos de bullyng não possuem recursos ou habilidades para reagir ou cessar o ato. Podem demonstrar comportamentos de insegurança, de baixa autoestima, de vergonha, medo. Como se pode ver, é uma cadeia de prejuízos.

Importante dizer que os esforços devem ser direcionados de forma ampla para diminuição da violência no ambiente escolar, familiar e comunitário. E o olhar deve ser para a vítima, para o agressor e para aqueles que testemunham esses atos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X