Tire essa cara de pobre

Por Paulo Bento


Alcance melhores resultados revendo seu modelo mental

Podemos herdar uma “cara de pobre” da infância e levá-la para a fase adulta. Podemos, também, estimulá-la ou motivá-la. A expressão “cara de pobre” não está relacionada a dinheiro, mas à permissão ou crenças limitantes que nos fazem repetir comportamentos. É o nosso modelo mental, ou seja, mindset, que controla todo o nosso comportamento: como agimos, pensamos, crenças, valores e tomadas de decisões. Por xemplo: se durante toda a minha vida aprendi a comer lasanha, que me dá prazer, para mudar esse comportamento trocando-o por outro alimento, como o brócolis será necessária a desconstrução da “cara de pobre” e a construção de um novo modelo mental.

A “cara de pobre” está relacionada ao medo. Supomos que exista algo em mim que me motiva a ter medo, sentimento que me foi estimulado durante toda a vida. Desde a infância à fase adulta. Sempre me falaram para eu não tomar decisões, não acreditar, nada era possível. Assim, criei meu modelo mental, ou seja, minha “cara de pobre”, limitando minhas decisões. Agora o “mundo” me fala que eu preciso ter coragem, ousar, ser empreendedor e tomar decisões. Meu “sabotador” (que me impede de agir) fala mais alto. Da mesma forma o tímido, em seu processo de vida, ouviu falar que não era permitido, tornando difícil para ele falar em público.

Criamos ao longo de nossa existência, nosso modelo mental e dentro dele definimos nosso “piloto automático”: como tomamos decisões e agimos inconscientemente, transformando em padrões de comportamento.

Para a mudança é necessário passar por três etapas:

  1. Autoconhecimento: saber como tomo decisão, qual é meu modelo mental, como ajo, o que motiva meu comportamento (busca da intenção positiva).
  2. Autodesenvolvimento: trabalhar, desenvolver e treinar o que descobri de mim (buscar cursos, técnicas e outras ferramentas para o autodesenvolvimento). Neste momento tenho que entender que preciso de um processo de mudança (não há mudança com leituras e palestras motivacionais), processo de melhoria com o foco, ação, feed back e evolução contínua.
  3. Autorealização: momento de viver, sentir e vibrar concebendo o que estou conseguindo e alcançando, criando uma nova conexão, um novo corpo, nova mentalidade do estado desejado.

Estes são os passos desejados para tirarmos a “cara de pobre” e alcançarmos resultados maravilhosos para a nossa vida pessoal, profissional, espiritual e intelectual.

Paulo Bento é Master Coach e Presidente do Instituto Performance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X