Crie hábitos e deixe de procrastinar

Por Peter Noronha

“Ação imperfeita é melhor que inação perfeita” Harry Truman. Essa frase pode deixar os perfeccionistas de plantão arrepiados e  nos faz refletir o quanto é importante ter foco e atenção às ações a serem realizadas no dia, por exemplo, mesmo que a ação não saia em seu melhor formato.

Procrastinar é a “arte” de deixar para amanhã, adiar algo. E o adiamento pode resultar em acúmulo de trabalho e levar ao estresse. Se sofre com esse problema, continue comigo e saiba como se livrar dele!

Você acorda decidido a ter aquele dia mega produtivo mas, de repente, um barulho de mensagem do WhatsApp chama sua atenção, você decide dar aquela checada nas notícias do dia, atende aquela ligação que nem era tão importante … e quando se dá conta,  o seu foco na manhã já se perdeu! Você se sente estressado, culpado e começa aquela sessão de autocrítica! Além dos efeitos psicológicos não desejados, estudos comprovam a associação da procrastinação com alto índice de estresse e problemas de saúde.

Para começar, o problema não é procrastinar mas sim o adiamento recorrente de ações/metas que você sabe que são importantes de serem executadas em determinado momento. Às vezes, adiamos algo por entendermos que é a melhor coisa a fazer mesmo e tudo bem! Adiar coisas que não nos geram prazer imediato (ex. fazer um relatório chato, porém necessário) são menos estimulantes para nosso cérebro de modo geral e isso explica em parte esse problema. Atividades fáceis e que envolvam diversão são ideais para a mania de procrastinar.

O que você deve fazer então para se livrar da síndrome do procrastinador? Já aviso que só acessar sua força de vontade não basta, pois ela tem um limite, mesmo que esteja motivado com algo. A força de vontade será um impulso, mas monitorar e mostrar para você mesmo que está avançando na sua meta pode funcionar como um segundo passo! A arma contra esse problema é criar hábitos. Esses são gerados por 3 elementos: gatilho, rotina e recompensa. Por exemplo, você quer começar a malhar e pode colocar sua roupa pendurada ao lado da cama ou a foto de como quer estar fisicamente no futuro (gatilho). Combine com você uma frequência mínima (rotina) e lembre-se de associar uma recompensa (objetivo, estimulante e palpável) a cada passo alcançado.

Criar novos hábitos não é tarefa fácil, certo? Mas pode passar a ser se você seguir essas cinco dicas:

  1. Escolha um hábito fácil (ao invés de malhar 1h por dia, que tal uma sessão de alongamento de 15m?).
  2.  Aumente gradativamente a complexibilidade do hábito.
  3. Divida-o em blocos de tempo (aos invés de colocar a meta de ler um livro por mês, leia 3 páginas por dia.
  4. Visualize seu progresso (deixe um calendário à mostra em casa ou no trabalho e marque verde quando conseguir executar e vermelho o contrário.
  5. Pegue leve com você: saiu da rota? Volte, lembre-se de seu propósito maior e, se necessário, peça ajuda.

Os fatores externos não são os seus maiores sabotadores, mas você mesmo! E a boa notícia? Você também é o principal responsável por fazer novas escolhas e, é claro, usufruir dos ganhos de desenvolver novos hábitos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X