Fitoterapia na nutrição

Entenda o que é fitoterapia e para que serve

Fitoterapia vem do grego. Phito significa planta, e Therapia, o mesmo que tratamento. Ou seja, “Tratamento por meio de plantas” com objetivo de auxiliar na prevenção e cura de algumas doenças. 

Sua prática é milenar e está presente em diferentes culturas. No Brasil, quando da colonização europeia, havia uso de plantas medicinais por índios, no tratamento de patologias. Atualmente, o consumo ainda é menor do que o observado em outros paises como Alemanha e Franca, por exemplo. Talvez esse panorama seja em decorrência da origem de algumas plantas ser europeia. 

Para a biomedicina é discutível o papel curativo empregado a algumas plantas devido a falta de pesquisas e comprovações científicas. 

No Brasil, a venda de fitoterápicos passa pela autorização de órgãos fiscalizadores após comprovação científica. Apenas produtos considerados eficazes podem ser vendidos. 

Na prática clínica de nutrição, alguns fitoterápicos podem ser prescritos com objetivo de auxiliar no controle de peso e da pressão arterial, na melhora de quadro dislipidêmico, na falta de apetite, ou excesso de apetite, em algumas disfunções gastrointestinais, dentre outras patologias. 

É importante salientar que a manutenção da saúde depende de hábitos saudáveis de vida e alimentação adequada. Não é razoável que se busque apenas a medicalização para obter saúde. Pode ser um caminho caro e sem volta. 

Nem todos fitoterápicos podem ser prescritos por Nutricionistas. Alguns deles apenas os médicos podem prescrever, como é o caso do fitoterápico Uva Ursi, destinado a cistite, por exemplo.

Outra questão importante é que fitoterápicos consumidos de forma indiscriminada, sem conhecimento da origem, princípios ativos, e destinação, podem ser tóxicos e prejudiciais a saúde. Por isso, antes de decidir pela aquisição de um fitoterápico, é importante que o paciente consulte um profissional de saúde. O nutricionista pode auxiliar no melhor caminho a ser adotado, principalmente, quando o tratamento depende, também, de mudança no padrão alimentar. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X