Salto agulha, preferido pelas mulheres, é o pior inimigo da coluna


Pesquisa mostra que maioria das brasileiras gosta desse modelo de calçado

Uma pesquisa que acaba de ser divulgada mostra que a maioria das brasileiras tem preferência pelo salto agulha. Esse é o pior tipo para a coluna e pode causar vários problemas ao órgão. Segundo o cirurgião Lourimar Tolêdo, esse tipo de estrutura altera a maneira de andar: “Os ombros são forçados para trás e a cabeça, para frente, o que prejudica o pescoço e a região lombar”, explica.

Outro risco causado pelo salto fino é a perda da estabilidade. Isso, de acordo com o médico, afeta a coluna e toda a estrutura que suporta o peso da pessoa, além de implicar risco de torções e de quedas. Da mesma forma, o ortopedista reprova o modelo meia pata, também muito apreciado pelas mulheres, em função da altura.

O problema do tamanho é que ele torna a área de apoio dos calcanhares muito pequena. “Por isso, o peso do corpo, que deveria se concentrar na parte de trás dos pés, é transferido para a frente”, afirma o médico. E ele adverte que, quanto maior for essa inclinação, mais grave será o dano.

Nunca pode?

“Usar salto alto mais de duas vezes por semana e durante mais de cinco horas seguidas pode causar problemas na coluna”, afirma. Entretanto, o especialista em cirurgia minimamente invasiva, responsável pelo Serviço de Cirurgia da Coluna Vertebral da equipe de ortopedia do Hospital Metropolitano (Serra), diz que a mulher pode calçar esse tipo de sapato para ir a um evento, por exemplo. “Mas se sentir dor, deve tirar o calçado”.

De acordo com Tolêdo, saltos com mais de 15 centímetros são considerados altos. “Aqueles que medem acima de 3 cm, quando usados com muita frequência, podem causar dores na coluna”, afirma. E quem tem de trabalhar calçados desse tipo todos os dias? Para essas mulheres, o médico recomenda a prática de exercícios físicos e de alongamentos diários. Além disso, ele orienta a adoção da postura correta, com costas eretas, para evitar dores nas costas.

A pesquisa foi realizada pela empresa Pés sem Dor, com 1.835 mulheres de todo o País, por meio da internet.

Veja os tipos de saltos e as consequências de cada um:

– Salto agulha

Provoca desequilíbrio e pode gerar lesões na coluna, torção dos pés e quedas porque a área de apoio dos calcanhares é muito pequena. Assim, o peso do corpo é transferido para a frente.

– Plataforma

A inclinação dos pés é pequena. Por isso, apresenta risco menor de lesões na coluna, nos pés e nos joelhos. Ele também oferece mais estabilidade do que o salto fino.

– Anabela

Também proporciona mais estabilidade porque a área de apoio é maior do que a do salto fino, mas a parte da frente do pé fica forçada na direção do chão, o que aumenta a sobrecarga nessa região e eleva o risco de lesões nos pés, nos joelhos e na coluna.

– Salto quadrado

Promove estabilidade, por isso reduz o risco de torções e de quedas. Entretanto, apresenta o problema da transferência do peso do corpo para a frente dos pés.

– Sapatos sem salto

Sapatos e sandálias totalmente planos (como as “rasteirinhas”) também podem não ser benéficos para algumas pessoas, como aquelas que têm encurtamento de músculos da perna. Isso geralmente ocorre com mulheres que usaram salto alto durante muito tempo ou que cresceram rápido demais. Para elas e para pessoas que têm problema com varizes, são recomendáveis saltos com até 3 centímetros de altura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X